Relato das operações no flanco esquerdo russo no Big 2007

As armas jacobinas, mais uma vez, voltaram a disparar pólvora seca!

No sector esquerdo, defendido pelas gloriosas 2ª e 3ª Divisões de Infantaria e pela Divisão de Cavalaria, todas elas lideradas pelo competente general Filip Martinov, o combate decorreu da seguinte forma.

A defender a maior parte do monte estava a 2º DI, enquanto a 3ª DI defendia a aldeia central em profundidade. A Divisão de Cavalaria (DC) colocou-se bem recuada em frente à aldeiazinha do lado direito do nosso dispositivo, uma vez que era impossível defender tudo e a sua colocação recuada impediria posteriores movimentações inimigas, como veio a acontecer.

 

 

 

 

A defender a maior parte do monte estava a 2º DI, enquanto a 3ª DI defendia a aldeia centra em profundidade. A Divisão de Cavalaria (DC) colocou-se bem recuada em frente à aldeiazinha do lado direito do nosso dispositivo, uma vez que era impossível defender tudo e a sua colocação recuada impediria posteriores movimentações inimigas, como veio a acontecer.

O fulgurante ataque francês começou com uma forte divisão de infantaria, suportada por cavalaria à sua direita, a passar quase incólume sob o nosso fogo de artilharia e a atacar as nossas linhas, já desgastadas pelos artilheiros contrários. A maior parte da artilharia divisional foi aniquilada e lentamente fomos obrigados a ceder terreno ante a avalanche franco-alemã.

Do nosso lado direito uma enorme divisão inimiga ocupou a aldeia e dividiu-se, parte dele penetrando no bosque para atacar o nosso centro. A nossa artilharia a cavalo provocou grandes baixas ao inimigo, apesar de ter sofrido

sob o fogo da artilharia que se lhe opunha. De igual modo, a artilharia de corpo, a única que permanecia sobre o monte, continuava a vomitar fogo sobre o inimigo.

No momento em que, combate após combate, assalto após assalto, a 2ª DI estava a um passo de ter de abandonar o monte, chegou a vitoriosa 2ª Divisão de Cavalaria composta por dragões e couraceiros. Foi tal o temor que os sabres da nossa cavalaria inspiraram no inimigo que este prontamente cessou o seu ataque e formou a infantaria em quadrado.

Os nossos cavaleiros atacaram a cavalaria francesa e, acto contínuo, a sua artilharia divisional e de corpo, as quais foram imediatamente eliminadas. O ataque inimigo soçobrou e os quadrados de infantaria francesa foram devastados pelo fogo da nossa infantaria. Rapidamente também esta divisão foi posta fora de combate e o monte ficou livre da presença do inimigo. Entretanto a divisão francesa sobrevivente ocupou a aldeia central.

Foi neste momento que vieram mais reforços na figura da gloriosa Divisão de Granadeiros, que foi colocada em frente ao bosque e juntou-se imediatamente ao combate. Enquanto a 2ª e 3ª DI fluíam do nosso sector esquerdo, preparando-se para assaltar o centro do campo, a Divisão de Cavalaria e os Granadeiros fizeram rápidos ataques, tendo os Hussares aniquilado um batalhão francês junto à aldeia central e, no extremo direito, um regimento de Ulanos carregou uma linha saxã a qual foi prontamente aniquilada. Os granadeiros juntaram-se ao combate e repeliram uma linha de infantaria inimiga colocada na orla do bosque. A divisão francesa atingiu 1/3 das baixas e não aguentou o impacto, pelo que também ela fugiu do campo de batalha.

A vitória das armas russas foi completa.

GLÓRIA AO EXÉRCITO RUSSO E DEUS SALVE O TZAR! !